ABEM - Associação Brasileira de Educação Musical, XIII ENCONTRO REGIONAL NORDESTE DA ABEM

Tamanho da fonte: 
Experiência formativa em flauta doce na Universidade Federal do Ceará
Hayrles da Conceição Freitas de Moraes Alcântara, Filipe Ximenes Parente

Última alteração: 2017-04-26

Resumo


O presente trabalho consiste em um relato de experiência, sobre o processo de ensino-aprendizagem da disciplina de prática instrumental em flauta doce, da Universidade Federal do Ceará, turma de 2014.1. Esta disciplina era dividida em quatro módulos, sendo eles, prática instrumental em flauta doce I, II, III e IV, respectivamente nos semestres 2014.1, 2014.2, 2015.1 e 2015.2, com 64 horas/aula cada. Analisamos as metodologias utilizadas pelos professores que trabalharam a disciplina com a turma citada, explorando suas formas de avaliação, assim como o tipo de repertório empregado por cada um. O artigo tem caráter qualitativo, e é um estudo de caso que tem como intuito analisar e refletir diferentes formas de se trabalhar a flauta doce nas escolas, em grupos de níveis diversos e promover, também, uma reflexão sobre os métodos de ensino-aprendizagem do instrumento. Iniciamos com uma breve explicação sobre a disciplina no período citado, e posteriormente apresentamos a forma como se deu tal estudo em cada semestre. Para um melhor embasamento teórico nos apropriamos do trabalho de Diana Goulart (2000), chamado: “Dalcroze, Orff, Suzuki e Kodály Semelhanças, diferenças, especificidades”, assim como o clássico da educação nacional, “Pedagogia da autonomia” de Paulo Freire (2013). Por fim, verificamos que as diferentes experiências vivenciadas, com relação aos professores, métodos e avaliações que serão apresentadas aqui, contribuíram para uma ampla visão das possibilidades de evolução no instrumento, inclusive a verificação das deficiências mais comuns no mesmo.


Texto completo: PDF