ABEM - Associação Brasileira de Educação Musical, XIII ENCONTRO REGIONAL NORDESTE DA ABEM

Tamanho da fonte: 
Educação musical: Interfaces com etnomusicologia, música, corpo, gênero, educação e saúde em um grupo de pesquisa
Harue Tanaka

Última alteração: 2016-12-20

Resumo


Esta comunicação relata uma experiência de vinte e três anos de docência/pesquisa que culminou com o momento de criação de um grupo de pesquisa denominado MUCGES, composto por doutoras1 e alunos da graduação/pós-graduação de diversos cursos da Universidade Federal da Paraíba. Gestado no primeiro semestre de 2016, o grupo encontra-se em plena etapa de planejamento (primeiras reuniões), através dos planos de ações encampados por três linhas de pesquisa. Um de seus objetivos é contemplar e confluir o tripé de abrangência de interesse das universidades federais, qual seja: a pesquisa, o ensino e a extensão. Nesse aspecto, procura fazer interconexão com a comunidade local e circunvizinha, precisamente, a quilombola do Guruji e Ipiranga (Conde-PB). Trata-se de uma tentativa de reunir de modo interdisciplinar outras áreas do conhecimento com subáreas da música (educação musical, etnomusicologia, musicologia, etc.), a fim de fomentar a pesquisa científica. Isso a partir de estudos de interfaces que podem propiciar aos jovens profissionais, futuros pesquisadores e educadores musicais/etnomusicólogos oportunidades para se iniciarem no mundo acadêmico-científico, preparando-os para produzir conhecimento. Com isso, seguimos para o que aponta Bellochio (2003, p. 46), ao falar de uma necessidade real de um maior fortalecimento para a apropriação da produção do conhecimento em educação musical, ou seja, “realizar trabalhos mais colaborativos no âmbito da universidade (entre cursos, entre graduação e pós-graduação) e âmbito da universidade e os espaços educativos”. Para tal, convocamos alunos dos cursos de etnomusicologia, musicologia, licenciatura e bacharelado em música, história e educação popular, a comporem o grupo.

[1] Doutoras das Universidades “X” e “Y”.


Texto completo: PDF