Go to Top

XI Conferência Regional Latino-Americana de Educação Musical - ISME - International Society for Music Education

Educação musical Latino-americana: tecendo identidades e fortalecendo interações

inscrições


Para apresentação e publicação dos trabalhos aprovados, TODOS os autores deverão ser SÓCIOS EM DIA ABEM ou da ISME e ESTAREM INSCRITOS NO EVENTO.




  • Taxa de inscrição

    Categoria 1º de maio a 15 de julho 16 de julho a 30 de julho de 2017 1º de agosto até a data do evento
      **Sócios
    R$/*U$
    **Não Sócios
    R$/*U$
    **Sócios
    R$/*U$
    **Não Sócios
    R$/*U$
    **Sócios
    R$/*U$
    **Não Sócios
    R$/*U$

    Profissionais/Pesquisadores


    R$ 190,00
    US$ 60
    R$ 230,00
    US$ 72
    R$ 220,00
    US$ 70
    R$ 300,00
    US$ 96
    R$ 260,00
    US$ 80
    RS$ 380,00
    US$ 120
    Estudantes de graduação R$ 65,00
    US$ 20
    R$ 95,00
    US$ 30
    R$ 95,00
    US$ 30
    R$ 120,00
    US$ 40
    R$ 120,00
    US$ 40
    R$ 160,00
    US$ 50
    Estudantes de pós-graduação R$ 95,00
    US$ 30
    R$120,00
    US$ 40
    R$ 120,00
    US$ 40
    R$160,00
    US$ 50
    R$ 160,00
    US$ 50
    R$190,00
    US$ 60
    Profissionais da educação básica R$ 65,00
    US$ 20
    R$ 95,00
    US$ 30
    R$ 95,00
    US$ 30
    R$ 120,00
    US$ 40
    R$ 120,00
    US$ 40
    R$ 160,00
    US$ 50
      * Valores en dólares (aproximados)
    ** Sócios da ABEM ou da ISME

    Inscreva-se

    Selecione a sua Categoria, confirme o seu pedido e preencha a ficha de inscrição. Caso já possua cadastro na ABEM entre com seus dados de acesso no respectivo campo. / Seleccione su categoría, confirme su solicitud y rellene la ficha de inscripción. Si ya tiene registro en la ABEM entre sus datos de acceso en el respectivo campo.

    Evento Taxa 1º de maio a 15 de julho
    1 de mayo a 15 de julio
    Estudantes de graduação - (Não sócio ABEM ou ISME)
    R$ 160,00
    Estudantes de graduação - (sócio ABEM ou ISME)
    R$ 120,00
    Estudantes de pós-graduação - (Não sócio ABEM ou ISME)
    R$ 190,00
    Estudantes de pós-graduação - (sócio ABEM ou ISME)
    R$ 160,00
    Profissionais / Pesquisadores - (Não sócio ABEM ou ISME)
    R$ 380,00
    Profissionais da educação básica - (Não sócio ABEM ou ISME)
    R$ 160,00
    Profissionais da educação básica - (sócio ABEM ou ISME)
    R$ 120,00
    Profissionais/Pesquisadores - (sócio ABEM ou ISME)
    R$ 260,00
    Importante: Autores(as), que tiveram seu(s) trabalhos(s) aprovado(s), deverão enviar a versão final do texto e se inscrever no evento até o dia 10 de julho. O resultado dos trabalhos será divulgado até o dia 05 de julho de 2017.
    Los autores (as), que tuvieron su (s) trabajo (s) aprobado (s), deberán enviar la versión final del texto y inscribirse en el evento hasta el día 10 de julio. El resultado de los trabajos será divulgado el día 05 de julio de 2017.

  • Minicursos

    Para participar dos Minicursos é determinante estar inscrito no evento.
    Se ainda não fez a sua inscrição clique aqui para se inscrever Quem já fez a inscrição no evento e ainda não tinha se inscrito no curso, inscreva-se selecionando um dos cursos abaixo.
    • Taxa do curso: Gratuito
    • Selecione apenas 1 curso pois os horários são coincidentes
    • Vagas: Limitadas
    Cursos

    “Voziologia”: Exploração e elaboração de vocalidades para criação musical com a voz

    Fábio Miguel

    Voziologia” é um neologismo concebido a partir das palavras: Voz e Biologia, por meio da qual se quer enfatizar a vida e as possibilidades de estudo e exploração que se tem na voz humana. Nesta oficina, intenta-se explorar os recursos sonoros vocais como materiais para criação musical com a voz. Nesta exploração vocal une-se os elementos da percepção: a impressão, escuta e a expressão, produção. Pretende-se abrir possibilidades de desenvolvimento vocal por caminhos não convencionais pela ênfase na exploração da voz para criação musical vocal.

    A improvisação associada à aquisição de conhecimento musical em aulas de piano para iniciantes

    Laura Longo

    Nesta oficina pretende-se propor reflexões e práticas acerca da iniciação ao piano, com uma abordagem que busca relacionar a aquisição de conhecimento musical a atividades de criação. Serão tratadas questões como leitura, técnica, percepção auditiva, análise, expressão, criação e improvisação.

    A Música como Recurso Didático na Educação Infantil

    Julia Holanda

    O objetivo não é dar receitas prontas de como fazer, mas sim, abrir o leque de possibilidades. Para isso é necessário despertar a musicalidade que existe em cada um de nós, professores. Pois é esse objetivo maior da musicalização da educação infantil – despertar a musicalidade da criança para que seja mais um instrumento a favor do seu desenvolvimento, seja ele emocional, cognitivo, psicomotor além da própria habilidade musical que a criança desenvolverá durante os percursos. Não é possível em poucas horas aprendermos música, ainda mais aprendermos a música e o método. Mas, é possível compartilharmos vivencias musicais que farão a diferença em nossa prática, nos motivando a buscarmos mais conhecimento e enxergando nosso aluno como passível de transformação e em constante construção. Por meio do trabalho de Musicalização Infantil, podemos desenvolver a atenção; a concentração; a cognição, o afeto, as habilidades motoras, as habilidades rítmicas, o autoconhecimento; a integração entre as crianças, a criatividade, a capacidade em estabelecer relações, a memória visual e sonora, a agilidade, a percepção e a discriminação sonora, a sensibilidade, a ampliação de um repertório de qualidade e estimular o prazer e o interesse pelo conhecimento e criação musical. Inserir a Musicalização Infantil na primeira infância contemplando o ensino regular, crianças e educadores permite-nos avançar com ludicidade, alegria e bem estar.

    Arquitetura do Som

    Sheyla Yassue Yatsugafu

    Prática do conceito da arquitetura do som baseado no artigo “Arquitetura do som: construção autônoma e protagonista desde os primeiros passos com o violino” que recebeu menção honrosa na área de educação musical no SIMPOM 2016. A prática se dará tendo como estrutura sua fundamentação teórica aplicada, lembrando por exemplo que teoria é também contemplação e que a teoria musical deriva da prática e sua sistematização. Depois será feita a coleta e análise dos problemas trazidos pelos participante. O objetivo final é elaborar proposta e criar atividades musicais. A autonomia, a criatividade e o amor são os valores que guiarão os encontros.

    CONTO e CANTO: a iniciação musical de crianças com contação de histórias, num processo de imitação

    Carlos Antônio Freitas da Silva

    Essa oficina tem como público alvo, 20 estudantes e/ou professores de música, bem como professores da Educação básica, em especial os da Educação Infantil e áreas afins. Para participar não há indicação do conhecimento de elementos técnicos musicais. Ela tem como objetivo proporcionar estratégias de ensino de música para a iniciação musical de crianças de 0 (zero) a 5 (cinco) anos de idade, mesclando conceitos teóricos de alguns educadores musicais (Murray Schafer, Zoltán Kodály, Edgar Willems, Jaques Dalcroze) e da psicologia da educação (Jean Piaget, Lev Vygotsky, Henri Wallon). Nela serão desenvolvidas atividades e exercícios práticos a partir da contação e sonorização de histórias, jogos cantados e jogos simbólicos, utilizando como recurso didático materiais recicláveis. As dinâmicas contemplarão o desenvolvimento rítmico, corporal, percepção auditiva, estimulação visual, tátil; a partir da manipulação de objetos musicais diversos, das imitações gestuais e sonoras dos animais indicados nos conteúdos das histórias dessa oficina.

    Corpo, Voz e Propriocepção: Em Busca do Som Primal - Oficina de Canto

    Moacyr Silva Costa Filho

    Em nossa proposta pedagógica, os ideais de tônus, flexibilidade, agilidade, sustentação, alcance e projeção vocal estão relacionados à ideia de maleabilidade corporal e de relaxamento dinâmico que, a nosso ver, implicam uma estrutura física tonificada e alongada, com os níveis de tensão muscular suficientes para a realização das tarefas vocais do canto. Nessa perspectiva, recorre-se ao uso de movimentos corporais de maneira a torná-las factíveis do ponto de vista cinestésico, permitindo assim que o cantor possa vir a perceber em seu próprio corpo os efeitos de certas ações físicas sobre a sua qualidade vocal. Por esta razão, opta-se pela execução de movimentos com a bola Suíça e a faixa elástica, materiais flexíveis de fácil interação, na expectativa de que o indivíduo descubra o seu som primal (original) e, por conseguinte, haja um aumento das sensações musculares e vibratórias, acompanhado de um relaxamento das tensões resultantes dos excessos de esforço físico no canto e da melhoria do desempenho técnico. Por outro lado, é também intenção descontrair os cantores com atividades lúdicas que os ajudem a diminuir as tentativas de controle direto sobre as ações que realizam durante o canto, de forma a não ocasionar prejuízos ao desenvolvimento vocal. Desta forma, permite-se que o indivíduo descubra, por meio da propriocepção, o seu ritmo natural de aprendizagem, a partir de exercícios físicos e vocais programados.

    Exploração Sonora e Jogos Musicais

    Ellen De Albuquerque Boger Stencel, Ailen Rose Balog Lima

    Exploração de materiais sonoros que buscam a fruição e decodificação da Arte em experiências artístico-musicais desenvolvidas pelas autoras. Como objetivo geral pretende-se contribuir para a organização e planejamento das aulas de música por meio de atividades que motivem o professor para uma ressignificação do trabalho musical. O público alvo é para professores das séries iniciais e de musicalização. A metodologia será baseada no desenvolvimento da percepção, sensibilidade e criatividade, com ênfase no desenvolvimento psicomotor e cognitivo de cada faixa etária e na proposta triangular do conhecer, perceber e fazer música. Os conteúdos musicais nas atividades de aprecação, execução e criação devem ser elaborados com ludicidade, integrados e abordados de forma rizomática. Os elementos propostos são constituídos de: ritmo, melodia, forma, expressão, andamento e timbre.

    Língua maluca: a expressão criadora na educação musical

    Adriana Rodrigues Didier

    Experimentar a fonética de uma língua não existente; apreciar e criar expressões sonoras da linguagem; escutar, explorar e improvisar numa “língua maluca”; conhecer as diferentes possibilidades da voz e da expressão sonora espontânea que poderão proporcionar ao educador musical novas possibilidades de criação; perceber a importância da escuta, da espontaneidade e do prazer na criação vocal são alguns dos objetivos desta oficina. Como metodologia: Depois da escuta de um discurso na língua maluca, exploraremos todos os sons feitos com boca utilizando ou não o uso da voz, será valorizada a expressão sonora em criações individuais e em grupos. Fecharemos com a análise das produções (apreciação), reflexão sobre o processo e das possibilidades dessa metodologia na educação musical.

    Ludicidade na Regência com Idosos

    Jeimely Heep Bornholdt

    Esta oficina busca vivenciar de forma lúdica, segundo Gois (2015) exercícios que possam ser desenvolvidos com coro idoso, salientando que o conhecimento acerca da fisiologia e pedagogia vocal aplicada ao coro da terceira idade. Dessa forma, será utilizado a Manossolfa (Kodaly) para exercícios de aquecimento vocal. O’Passo de Civatta (CIAVATTA, 2009) para atividades de pulsação interna. Além de proporcionar algumas canções brasileiras como “Meu carro é vermelho” de Erasmo Carlos e “Maracangalha” de Dorival Cayme para que possamos vivenciar essas práticas por meio da ludicidade. Para finalizar deixo as palavreas de Delalande (1984) “talvez, o jogo possa se desenvolver e sobreviver até a vida do adulto, sob a forma de música”.

    Motivação para aprender: aplicações no ensino de instrumento musical

    Edson Antônio de Freitas Figueiredo

    Trabalhar com alunos interessados em aprender é algo desejado por muitos professores de música. Em meio a prática educativa diária, não é difícil reconhecer que a motivação é um elemento fundamental para tocar um instrumento e que o envolvimento com a aprendizagem torna a aula mais gratificante tanto para o aluno quanto para o professor. Porém, nem sempre o ambiente de aprendizagem é capaz de nutrir os recursos motivacionais do aluno, sendo comum a existência de estudantes que não demonstram interesse nas atividades. Neste cenário, o professor ocupa uma posição central na manutenção do ambiente da sala de aula. Este curso foi idealizado para o professor de música que deseja compreender os processos motivacionais de seus alunos e, consequentemente, ter maior consciência de suas ações. Os objetivos do curso são: Conhecer as angústias dos professores em relação à motivação do aluno; Conhecer as principais teorias psicológicas da motivação humana; Debater formas de aplicar as teorias na aula de instrumento musical. O público alvo constitui-se de professores de qualquer instrumento musical que atuem com aulas individuais ou coletivas.

    O Uso de Softwares Online nas Aulas de Música

    Paulo R A Marins

    Estudo de tópicos relativos à utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), por meio de softwares online gratuitos, nos processos de ensino e aprendizagem da música.

    Oficina Canto Coletivo Improvisado

    Uliana Dias Campos Ferlim, André Felipe Gouvea Roman

    Prática educativa-musical coletiva, com foco na composição e performance musicais. A voz e o corpo são vistos como elementos de comunicação e de desenvolvimento musical. A voz como ferramenta de improvisação e criação, também utilizada como instrumento percussivo. Prática de diferentes gêneros musicais, unindo corpo e voz, experienciados por meio de jogos criativos e discussões sobre princípios e possibilidades de aprendizagem musical. “Circlesongs” trata-se de uma abordagem de criação vocal coletiva vivenciada por Uliana com o criador musical e cantor Bobby McFerrin. A proposta da oficina é partir da prática musical coletiva, fazer incursões no modelo “circlesongs” de Bobby McFerrin, vivenciar as possibilidades criativas nos aspectos vocais e corporais, e discutir sobre suas possibilidades e potencialidades pedagógicas, trazendo referências a projetos e práticas semelhantes, assim como refletir sobre os princípios musicais e educacionais envolvidos.

    Oficina de Notação Musical Alternativa e Improvisação Dirigida

    Sofia Leandro, Bruno Soares Santos

    A Oficina de Notação Musical Alternativa e Improvisação Dirigida pretende expor as possibilidades da utilização da notação com figuras geométricas, e sua integração num contexto de improvisação musical dirigida. Os participantes poderão ser músicos ou não-músicos e usar o corpo, a voz, objetos sonoros e/ou os seus próprios instrumentos. Serão convidados a experimentar de uma forma prática atividades de leitura e execução de peças escritas com figuras geométricas, bem como a fazer música em conjunto dentro de um sistema de improvisação dirigida. A oficina deverá culminar com uma pequena performance em conjunto, na qual serão reunidos os elementos trabalhados ao longo das sessões.

    Oficina de Violão: Caminhos para ir do Violão Básico ao Avançado

    Marco Aurelio Ferreira Aniceto

    Visa disponibilizar a jovens e adultos práticas essencialmente voltadas a performance musical, nas quais a manipulação da música através do Violão, pelo aluno, ocupa todo o tempo das atividades. Oportunizar o prazer de tocar Violão, particularmente dentro de um grupo, e desenvolver a habilidade de utilizar o Violão na sua mais tradicional função: acompanhar instrumentos solistas, sobretudo a voz humana. Contudo, outras funções do instrumento também serão abordadas, como a solista e a percussiva. Para alcançarmos o objetivo maior da Oficina, apontar caminhos para ir do Violão básico ao avançado, também abordarei a importância da percepção musical. Um bom violonista, seja acompanhante ou solista, tem de estar necessariamente atento aos instrumentos que estão a sua volta e também a sua performance solo.

    Possibilidades Contemporâneas de Atuação do Educador Musical/Artista: Mercado, Processos e Resultados

    Elen Lara Rocha Farias

    Esta oficina visa discutir junto aos participantes o mercado de trabalho do artista/educador musical na contemporaneidade, apresentar ações culturais/ educativas, criativas e geradoras de resultados, discutir a carreira, interdisciplinaridade e pluralidade de conhecimentos necessários ao educador musical, estudante de música ou profissional que deseja desenvolver parcerias, produções culturais significativas em ambientes formais e informais de ensino e performance visando o alcance de resultados que o gratifiquem profissionalmente e artisticamente.

    UMA PEDAGOGIA MUSICAL PREVENTIVA: ESTABILIZAÇÃO POSTURAL PARA INSTUMENTISTAS, CANTORES E REGENTES

    Dra. Carina Joly

    Esta oficina é direcionada a instrumentistas, regentes e cantores, e irá proporcionar uma introdução de conhecimentos gerais de estabilização postural incluindo exercícios para músicos que tocam/cantam em pé ou sentados. Voluntários serão convidados apresentar trinta segundos de um trecho musical do seu repertório antes e depois de praticarem os exercícios e vídeos destas performances serão gravados. Os participantes serão convidados a assistir os vídeos e discutir mudanças na postura e no som de cada voluntário. A oficina oferecerá a músicos e professores de música informações práticas sobre a prevenção de problemas/doenças comuns entre músicos, noções básicas de observação da postura em músicos, exercícios desenvolvidos por profissionais da saúde e terapeutas corporais específicos para músicos, técnicas práticas a serem utilizadas antes e durante a apresentação, explicando como estas técnicas podem ser úteis na lida com o medo de palco. OBS: Participantes são convidados a trazer seus instrumentos, uma bola de tênis (usada é melhor que nova), e poderão retirar os sapatos durante a oficina. Roupas confortáveis são bem-vindas.