Consciência Intervalar: desenvolvimento e operacionalização de um teste psicométrico

Pedro Alcântara Senra de Oliveira Neto

Resumo


Apresenta-se, neste trabalho, o desenvolvimento teórico e a operacionalização da Consciência Intervalar, que foi definida como a habilidade de reconhecer e de manipular intervalos melódicos em diferentes contextos musicais. Os esforços aqui empreendidos partiram dos trabalhos de W. Jay Dowling e de Ricardo Goldemberg, que, de maneira similar, foram dedicados à investigação dos aspectos cognitivos que podem estar envolvidos na percepção e na manipulação de intervalos e de escalas melódicas. Estratégias interdisciplinares de investigação foram adotadas para que se pudesse criar um instrumento de mensuração da Consciência Intervalar. Esse instrumento, que recebeu o nome de “Teste de Consciência Intervalar”, foi desenvolvido com base em instrumentos análogos, utilizados em estudos linguísticos acerca da Consciência Fonológica. O Teste de Consciência Intervalar foi aplicado em 21 sujeitos voluntários, recrutados no curso de música da Universidade Estadual de Campinas. Os resultados obtidos serviram como dados para a análise do instrumento segundo aspectos de validade e de confiabilidade.


Referências


Anthony, Jason L., and David J. Francis. Development of phonological awareness. Current Directions in Psychological Science. [s.l.] v.14, n.5, p.255-259, 2005.

BOLDUC, Jonathan; Marie-Audrey, Noël M. Musique et langage au préscolaire: projet à l’école primaire du Val-Joli. Relatório de Pesquisa. Université Laval, 2014

Cassady, Jerrell C., Lawrence L. Smith, and Linda K. Huber. Enhancing validity in phonological awareness assessment through computer-supported testing. Practical Assessment, Research & Evaluation. [s.l.]. v.10, n. 18, p. 1-12, 2005.

COIMBRA, Miriam. Metaphological Ability to Judge Phonetic and Phonological

Acceptability in Five-year-old Monolingual and Bilingual Children. Tese de Doutorado (Linguística). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1997.

Dowling, W. Jay e Bartlett, James C. The Importance of Interval Information In Long-Term Memory For Melodies.

Psychomusicology: A Journal of Research in Music Cognition. Dallas. v.1, n.1, p.30-49, 1971.

Dowling, W. Jay, and Diane S. Fujitani. Contour, interval, and pitch recognition in memory for melodies. The Journal of the Acoustical Society of America. [s.l.] v.49, n.2B, p. 524-531, 1981

Dowling, W. J. (1986). Context effects on melody recognition: Scale-step versus interval representations. Music Perception: An Interdisciplinary Journal. California. [s.l.] v.3, n.3, p.281-296, 1986.

Dowling, W. Jay. Scale and contour: Two components of a theory of memory for melodies. Psychological review. Texas. v. 85, n.4, p.341-354, 1978.

Ellefson, Michelle R.; Treiman, Rebecca; Kessler, Brett. Learning to label letters by sounds or names: A comparison of England and the United States. Journal of experimental child psychology. [s.l.] v,102, n.3, p.323-341, 2009.

GODOY, Dalva Maria Alves. Aprendizagem inicial da leitura e da escrita no português do Brasil: Influência da consciência fonológica e do método de alfabetização. Tese de Doutorado (Linguística). Centro de Comunicação e Expressão, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. 2005.

Goldemberg, Ricardo. Modus Novus e a abordagem intervalar da leitura cantada à primeira vista. Opus. Porto Alegre. v.17, n.2, p.107-120, 2011.

_________________. Uma avaliação da abordagem ascendente para a leitura cantada à primeira vista. Revista da Abem. Londrina. v.23, n.34, p.84-94, 2015

HOLMES, Alena V. Effect of fixed-do and movable-do solfege instruction on the development of sight-singing skills in 7- and 8-year-old children. Tese de doutorado (Filosofia). University of Florida, Florida, 2009

Huck, Schuyler W., William H. Cormier, and William G. Bounds. Reading statistics and research. New York: Harper & Row, 1974.

HUNG, Jou-Lu. An investigation of the influence of fixed-do and movable-do solfège systems on sight-singing pitch accuracy for various levels of diatonic and chromatic complexity. Tese de Doutorado (Doctor of Education). Departamento de Learning and Instruction, University of San Francisco. São Francisco, 2012.

Marconi, Marina de Andrade, e Eva Maria Lakatos. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed.-São Paulo: Atlas, 2003.

Pasquali, L. (1998). Princípios de elaboração de escalas psicológicas. Arch. clin. Psychiatry. São Paulo. v.25, n.5, p.206-13, 1998

Patel, A. D., Gibson, E., Ratner, J., Besson, M., & Holcomb, P. J. Processing syntactic relations in language and music: An event-related potential study. Journal of cognitive neuroscience. [s.l.] v.10, n.6, p.717-733, 1998.

RAMOS, Norma. S. C. Consciência Fonológica Do Português Do Brasil: Descrição e Análise de Cinco Testes. Dissertação de mestrado (Letras). Faculdade de letras. Pontifícia Universidade Católica Do Rio Grande Do Sul. Porto Alegre, 2005.

Ribeiro, V. S. Consciência fonológica e aprendizagem da leitura e da escrita: uma análise dessa relação em crianças em fase inicial de alfabetização. Entrepalavras. Fortaleza. [s.l.] v.1, n.1, p.100-116, 2011

Santos, J. R. A. (1999). Cronbach’s alpha: A tool for assessing the reliability of scales. Journal of extension. [s.l.] v.37, n.2, p.1-5, 1999

Siegel, J. A., & Siegel, W. (1977). Categorical perception of tonal intervals: Musicians can’t tell sharp from flat. Attention, Perception, & Psychophysics. [s.l.] v.21, n.5, p.399-407, 1977.

Tavakol, M. e Dennick, R. Making sense of Cronbach’s alpha. International journal of medical education. [s.l.] v.2, p.53-55, 2011

Yopp, H. K. (1988). The validity and reliability of phonemic awareness tests. Reading Research Quarterly. [s.l.] v. 23, n. 2, p.159-177, 1988.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN eletrônico: 2358-033X
ISSN impresso: 1518-2630

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.