Traços de colonialidade na educação superior em música do Brasil: análises a partir de uma trajetória de epistemicídios musicais e exclusões

Luis Ricardo Silva Queiroz

Resumo


Este artigo apresenta resultados de uma pesquisa realizada no âmbito da educação superior em música do Brasil, que contemplou cursos de graduação (bacharelados e licenciaturas) de dez universidades importantes do país. O objetivo da pesquisa foi compreender a formação em música ofertada pelos cursos de graduação, considerando a trajetória de colonialidades e exclusões que marcaram a institucionalização da área no cenário nacional. O estudo, de natureza qualitativa, tem como base uma pesquisa bibliográfica, com ênfase na área de música e afins, e uma pesquisa documental, que abrangeu fontes de informação relacionadas à educação superior em musica nas universidades pesquisadas. Os resultados do estudo evidenciam fortes traços de colonialidade nos cursos de graduação em música do Brasil, tendo em vista o amplo domínio da música erudita ocidental nesse nível de ensino e a reprodução do modelo disciplinar como única estratégia de organização dos currículos. Todavia, o estudo aponta também para brechas e rupturas decoloniais, que se manifestam na inserção de outros conhecimentos e saberes musicais e na incorporação, mesmo que incipiente, de novas estratégias na organização de componentes curriculares dos cursos.


Referências


ANDRADE, Mário. Aspectos da música brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1991.

AUGUSTO, Antonio. A civilização como missão: o Conservatório de Música no Império do Brasil. Revista Brasileira de Música: Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 67-91, 2010. Disponível em: . Acesso em: 02 dez 2017.

ARROYO, Margarete. Representações sociais sobre práticas de ensino e aprendizagem musical: um estudo etnográfico entre congadeiros, professores e estudantes de música. 1999. Tese (Doutorado em Música). Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999

BRASIL. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Cursos recomendados. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: . Acesso em: 10 ago 2017.

CASTAGNA, Paulo. Música na América Portuguesa. In: MORAES, José Geraldo Vinci; SALIBA, Elias Thomé. História e música no Brasil. São Paulo: Alameda, 2010, p. 35-76. Disponível em: . Acesso em: 01 dez 2017.

CONSERVATORY OF VIENNA. History of the Conservatory of Vienna. 2017. Disponível em: . Acesso em: 03 dez 2017.

COUTO, Ana Carolina N. Repensando o ensino de música universitário brasileiro: breve análise de uma trajetória de ganhos e perdas. Opus, Porto Alegre, v. 20, n. 1, p. 233-256, jun. 2014.

DAVID, Moisés; MELO, Maria Lúcia; MALHEIRO, João Manoel da Silva. Desafios do currículo multicultural na educação superior para indígenas. Educação e Pesquisa, v.39 n. 1, São Paulo, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 aug 2017.

ENCYCLOPEDIA BRITANNICA. Conservatory: Musical Institution. 2017. Disponível em: . Acesso em: 04 dez 2017.

GREEN, Lucy. How popular musicians learn. Londres: Ashgate. 2001.

______. Popular music education in and for itself, and for ‘other’ music: current research in the classroom. International Journal of Music Education, v. 24, n. 2, p. 101-118, 2006.

GROSFOGUEL, Ramon. Dilemas dos estudos étnicos norte-americanos: multiculturalismo identitário, colonização disciplinar e epistemologias decoloniais. Ciência e cultura. São Paulo: v. 59, n. 2, p. 32-35, 2007. Disponível em: . Acesso em: 14 nov 2017.

HALL, Stuart. Identidades culturais na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1997.

HOLLEY, Karri. Interdisciplinary Curriculum and Learning in Higher Education. Oxford Educational Enciclopédia. Disponível em: . Acesso em: 10 dez 2017.

HOLLER, Marcos Tadeu. Uma história de cantares de Sion na terra dos brasis: a música na atuação dos jesuítas na América Portuguesa (1549-1759). 949f. 2006. Tese (Doutorado em música – Área de concentração: Musicologia) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade de Campinas, Campinas, 2006. Disponível em: . Acesso em: 18 dez 2017.

MEDEIROS, Marcus. Licenciatura em música e habitus conservatorial: analisando o currículo. Revista da ABEM, Londrina, v.22, n.32, p. 90-103, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 dez 2017.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.) El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 127-167. Disponível em: < http://ram-wan.net/restrepo/decolonial/17-maldonado-colonialidad%20del%20ser.pdf>. Acesso em: 08 set 2017.

MANCEBO, Deise; VALE, Andréa Araujo do; MARTINS, Tânia Barbosa. Políticas de expansão da educação superior no brasil 1995-2010. Revista Brasileira de Educação, v. 20 n. 60, Rio de Janeiro, p. 31-50, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 aug 2017.

MACEDO, Arthur Roquete de; TREVISAN, Ligia Maria Vettorato; TREVISAN, Péricles; MACEDO, Caio Sperandeo de. Educação superior no século XXI e a reforma universitária brasileira. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação., v. 13 n. 47, Rio de Janeiro, p. 127-148, 2005.

MIGNOLO, Walter. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. p. 71-103. Disponível em: . Acesso em: 10 dez 2017.

MOORE, Robin D. (Ed.). College Music Curricula for a New Century. New York: Oxford Scholarship Online, 2017.

MORIN, Edgar; LE MOIGNE, Jean Louis. A inteligência da complexidade. Traduzido por Nurimar Maria Falci. São Paulo: Peirópolis, 2000.

NETTL, Bruno. Heartland excursions ethnomusicological reflections on schools of music. Urbana: University of Illinois Press, 1995.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de; CANDAU, Vera Maria Ferrão. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 26, n. 1, p. 15-40, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 dez 2017.

PECHMAN, Robert Moses. Cidades estreitamente vigiadas: o detetive e o urbanista. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002.

PENNA, M. Ensino de música: para além das fronteiras do conservatório. In: PEREGRINO, Yara R. (Org.). Da camiseta ao museu: o ensino das artes na democratização da cultura. João Pessoa, Editora UFPB, 1995. p. 129-140.

PIRES, Marília Freitas de Campos. Multidisciplinaridade, interdisciplinaridade e transdisciplinaridade no ensino. Interface, v. 2, n. 2, p. 173-182. Disponível em: . Acesso em: 10 dez 2018.

PRASS, Luciana. Saberes musicais em uma bateria de escola de samba. Porto Alegre: FAURGS, 2004.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva. Formação intercultural em música: perspectivas para uma pedagogia do conflito e a erradicação de epistemicídios musicais. InterMeio: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, Campo Grande, MS, v. 23, n. 45, p. 99-124, 2017. Disponível em: . Acesso em: 06 mar 2018.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva. Performance musical nos Ternos de Catopês de Montes Claros. Tese (Doutorado em Música – Área de concentração: Etnomusicologia). Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva; FIGUEIREDO, Sérgio. ‘The World Declaration on Higher Education for the Twenty-First Century’ and perspectives for Music Education in Brazil. In: INTERNATIONAL SEMINAR OF THE COMMISSION ON RESEARCH, 22., 2016, London. International perspectives on research in music education – Procedings. London: IMERC, 2016, p. 255-265.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva; MARINHO, Vanildo Mousinho. Educação musical e etnomusicologia: lentes interpretativas para a compreensão da formação musical na cultura popular. Opus, v. 23, n. 2, p. 62-88, 2017. Disponível em: . Acesso em 07 dez 2017.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva; MARINHO, Vanildo Mousinho. Novas perspectivas para a formação de professores de música: reflexões acerca do Projeto Político Pedagógico da Licenciatura em Música da Universidade Federal da Paraíba. Revista da ABEM, v. 13, p. 83-92, 2005. Disponível em: . Acesso em: 08 dez 2017.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder y clasificación social. In: CASTROGÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 93-126. Disponível em: . Acesso em: 10 nov 2017.

SAID, Edward. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (Orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SCHWARZ, David; KASSABIAN, Anahid; SIEGEL, Lawrence. Keeping Score: Music, Disciplinarity, Culture. Charlottesville: University of Virginia Press, 1997.

TALTY, Jack. Noncanonical Pedagogies for Noncanonical Musics: Observations on Selected Programs in Folk, Traditional, World, and Popular Musics. In: MOORE, Robin D. (Ed.). College Music Curricula for a New Century. New York: Oxford Scholarship Online, 2017. p. 101-114.

UFAM. Projeto Político Pedagógico: Licenciatura em Música - Matutino, 2010. Disponível em: . Acesso em: 02 dez 2017.

UFBA. Escola de Música. Composição e Regência. 2017. Disponível em: . Disponível em: 05 dez 2017.

UFBA. Escola de Música. Componente Curricular: Musa69 - Literatura e Estruturação Musical I. 2009a. Disponível em: . Acesso em: 04 dez 2017.

UFBA. Escola de Música. Lista de disciplinas: Curso Música Popular. 2009b. Disponível em: . Acesso em: 01 dez 2017.

UFG. Escola de Música e Artes Cênicas. Música Bacharelado. 2017. Disponível em: . Acesso em: 03 dez 2017.

UFPA. Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão. Resolução N. 3.603 de 10 de setembro de 2007: Homologa o Parecer n. 028/07-CEG, que aprova o Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura Plena em Música. Belém: 2007. Disponível em: . Acesso em: 03 dez 2017.

UFPB. Projeto Político-Pedagógico: Bacharelado em Habilitação em Práticas Interpretativas da Música & Composição. 2008. Disponível em: . Acesso em: 01 fev 2017.

UFPB. Projeto Pedagógico: Curso de Licenciatura em Música. 2009.

UFPR. Música. Currículo do Curso de Música da UFPR (2014 em diante). 2014. Disponível em: . Acesso em 06 dez 2017.

UFRGS. Ensino: Música. 2017. Disponível em: . Acesso em: 01 dez 2017.

UFRJ. Escola de Música. Bacharelado. 2017a. Disponível em: . Acesso em 02 dez 2017.

UFRJ. Escola de Música. Licenciatura. 2017b. Disponível em: . Acesso em 02 dez 2017.

UNB. Instituto de Artes. Musica: Fluxograma. Disponível em: . Acesso em: 05 dez 2017.

UNESCO. Declaração mundial sobre educação superior no século XXI: visão e ação. Paris, 1998. Disponível em: . Acesso em: 11 aug 2017.

UNICAMP. Instituto de Artes. Graduação em música. Disponível em: . Acesso em: 05 dez 2017.

UNICAMP. Cursos Graduação UNICAMP. 22 Música: Currículo Pleno. 2013. Disponível em: . Acesso em: 02 dez 2017.

WALSH, Catherine (Ed.). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo I. Quito, Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 2013.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN eletrônico: 2358-033X
ISSN impresso: 1518-2630

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.